sábado, 29 de dezembro de 2012

Sangue fraco pode levar a depressão


Para a Medicina Tradicional Chinesa, o sangue “aloja a mente”, isto é quer dizer que se tiver o sangue fraco as suas emoções estão frágeis, podendo culminar num quadro de depressão. As perturbações no sangue alteram as emoções.
As estatísticas dizem que existe um maior número de mulheres a sofrer de depressão que homens. Porque será?
Uma das respostas possíveis, transporta-as para o dia em que foram mães. Fala-se muito na depressão pós-parto, mas como pode esta acontecer? Na maioria dos casos, ter um bébe é uma benção, uma grande alegria porquê a depressão? Porquê toda esta emotividade, vontade de chorar, tristeza, insónia, agitaçao, ansiedade?
Em boa verdade, durante nove meses, o bébe alimentou-se do sangue da mãe, enfraquecendo-o…Muitas vezes a mulher com uma boa alimentação consegue curar-se espontaneamente outras vezes não, e se a quantidade dos constituintes do sangue são visiveis nas análises clínicas, a qualidade nem sempre o é, como resultado muitas pessoas sofrem de anemia e nem o sabem.
Na Medicina Tradicional Chinesa trata-se o sangue e na maioria dos casos a doença psicológica. O sangue é tratado ao nível da quantidade dos seus constituintes mas também a qualidade destes. É importante chegar à raíz, e na Medicina Chinesa a raíz do estado do sangue é a relação entre o fígado, o baço e o rim. Através da acupuntura , e algumas ervas consegue-se o equilibrio entre estes orgãos.
Não é por acaso que a sabedoria popular aconselha quem sofre de anemia, a comer fígado ou rim de animais, assim como carne de cavalo. A Medicina Chinesa vai mais longe e aconselha também a carne de javali e veado. Estas carnes potenciam o fabrico de mais e de melhor qualidade de sangue, podendo curar não só a anemia, não só a depressão mas também outras doenças psicológicas como a doença bipolar, esquizofrenia, enfim transtornos psicoemocionais, que se relacionem com alterações do sangue.

Um Canal de Luz por Maria Silvia Orlovas: A lição do esquecimento

Um Canal de Luz por Maria Silvia Orlovas: A lição do esquecimento : ...